Paratradução: uma prática editorial e um caso de Machado de Assis em espanhol

Palabras clave: Paratradução, Criação, Machado de Assis, Espanhol

Resumen

Propomos, aqui, uma leitura de paratextos (Genette, 2009) em duas traduções de Memórias póstumas de Brás Cubas para o espanhol, a fim de analisar a construção da imagem que se faz de Machado de Assis. Como uma proposta crítica de trabalho com o texto traduzido, a paratradução permite entender não só aspectos concernentes ao texto, mas também ao processo de tradução mais amplo nas práticas editoriais (Yuste Frías, 2011, 2015). Observamos uma ênfase nos aspectos biográficos do escritor, sobretudo em sua infância pobre de menino negro no Brasil oitocentista, e na genialidade literária do autor maduro e epilético. Contrastamos essa construção do autor Machado, de certa forma referendada pela repetição, com a imagem de outro Machado apresentado por Massa (2009a).

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Álvarez Lugrís, Alberto (2014), «Paratraducción editorial», em Xoán Montero Domínguez (org.), Traducción e industrias culturales: nuevas perspectivas de análisis, Frankfurt, Peter Lang, pp. 15-33, disponível em http://paratraduccion.com/alugris/wp-content/uploa ds/2014/07/artigoPeterLang.pdf (data de consulta: 10/2/2010).

Assis, Joaquim Maria Machado de (1881), Memórias póstumas de Brás Cubas, edição em hipertexto, disponível em http://www.machadode assis.net/hiperTx_romances/obras/brascubas.htm (data de consulta: 30/10/2019).

Assis, Joaquim Maria Machado de (1902), Memorias póstumas de Blás Cubas, trad. Julio Piquet, Montevidéu, Uruguai, Imprenta de La Razón.

Assis, Joaquim Maria Machado de (2006), Memorias póstumas de Blas Cubas, trad. Antonio Alatorre, introd. Lúcia Miguel Pereira, notas de Antonio Alatorre e Pero de Botelho, 3.ª ed. México, Fondo de Cultura Económica.

Assis, Joaquim Maria Machado de (1963), Memorias póstumas de Blas Cubas, trad. Antonio Alatorre, notas de Antonio Alatorre e Pedro de Botelho, Havana, Cuba, Casa de las Américas.

Cardellino Soto, Pablo (2012), «Traducciones de Machado de Assis al español», em Andréia Guerini et al. (orgs.), Machado de Assis: tradutor e traduzido, Florianópolis, Ed. Copiart, pp. 129-159.

Clüver, Claus (2016), «Iconicidade e isomorfismo em poemas concretos brasileiros», O Eixo e a Roda. Revista de Literatura Brasileira, v. 13, pp. 19-38, disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br /index.php/o_eixo_ea_roda/article/view/3214/3158 (data de consulta: 04/02/2020). DOI: https://doi.org/10.17851/2358-97 87.13.0.19-38.

Espinosa Dominguez, Carlos (2010), «Andanzas póstumas: Machado de Assis en español», Caracol, 1, pp. 64-85, disponível em: http://www.revistas.usp.br/caracol/article/view/57638/60694 (data de consulta: 30/10/2019). DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2317-9651.v0i1p65-85.

Even-Zohar, Itamar (2000), «The position of translated literature within the literary polysystem», em Lawrence Venuti (ed.), The Translation Studies Reader, Londres, Routledge, pp.192-197.

Garrido Vilariño, Xoán Manuel (2005), «Texto e Paratexto. Tradución e Paratradución», Viceversa, Revista Galega de Tradución, 9-10, pp. 31-39.

Genette, Gérard (2009), Paratextos editoriais, trad. Álvaro Faleiros, Cotia, SP, Ateliê Editorial.

Guimarães, Hélio de Seixas (2012), «Uma vocação em busca de línguas: as (não) traduções de Machado de Assis», em Andréia Guerini et al. (orgs.), Machado de Assis: tradutor e traduzido, Florianópolis, Ed. Copiart, pp. 35-43.

Lefevere, André (2007), Tradução, reescrita e manipulação da fama literária, trad. Claudia Matos Seligmann, Bauru, SP, Edusc.

Massa, Jean-Michel (2009a), «A França que nos legou Machado de Assis», em Benedito Antunes e Sérgio Vicente Motta (orgs.), Machado de Assis e a crítica internacional, São Paulo, Editora Unesp, pp. 231-265.

Massa, Jean-Michel (2009b), A juventude de Machado de Assis, 1839-1870: ensaio de biografia intelectual, prólogo de Antonio Candido, posfácio de Paulo Rónai, trad. Marco Aurélio de Moura Matos, 2.ª ed., São Paulo, Editora Unesp.

Massa, Jean-Michel (2009c), «Reabilitação de Machado de Assis», em Benedito Antunes e Sérgio Vicente Motta (orgs.), Machado de Assis e a crítica internacional, São Paulo, Editora Unesp, pp. 33-54.

Piza, Daniel (2006), Machado de Assis: um gênio, 2.ª ed. São Paulo, Imprensa Oficial do Estado de São Paulo.

Pereira, Lúcia Miguel (1988), Machado de Assis: estudo crítico e biográfico, 6.ª ed., Belo Horizonte: Itatiaia / São Paulo, Editora da Universidade de São Paulo.

Rocca, Pablo (2009), «Machado de Assis, escritor do Rio da Prata: duas hipóteses contraditórias», Cadernos de Letras da UFF / Dossiê: Diálogos Interamericanos, 38, pp. 35-49, disponível em http://www.cadernosdeletras.uff.br/joomla/images/stories/edicoes/38/artigo2.pdf (data de consulta: 30/10/2019).

Silva, Liliam Ramos da (2018), «Não me chame de mulata: uma reflexão sobre a tradução em literatura afrodescendente no Brasil no par de línguas espanhol-português», Trabalhos em Linguística Aplicada, 57, 1, pp. 71-88, disponível em http://www.scielo.br/ pdf/tla/v57n1/0103-1813-tla-57-01-0071.pdf (data de consulta: 5/11/2019). DOI: https://doi.org/10.1590/010318138651618354781.

Silva, Teresinha Vânia Zambrão da (2014), «Machado de Assis e o mulato de “alma grega”», Machado de Assis em Linha, São Paulo, 7, 14, pp. 229-239, disponível em http://www.scielo.br/pdf/mael/v7 n14/1983-6821-mael-7-14-00229.pdf (data de consulta: 3/2/2020). DOI: https://doi.org/10.1590/S1983-68212014000200015.

Yuste Frías, José (2015), «Paratraducción: la traducción de los márgenes, al margen de la traducción», DELTA., 32-especial, pp. 317-347, disponível em https://www.scielo.br/pdf/delta/v31nspe/1678-460X-delta-31-spe-00317.pdf (data de consulta: 17/11/2020). DOI: https://doi.org/10.1590/0102-445031725373379053.

Yuste Frías, José (2011), «Traducir para la pantalla: el traductor entre el texto y la imagen», em Elena Di Giovani (ed.), Diálogos intertextuales 5: Between Text and Receiver: Translation and Accessibility / Entre texto y receptor: traducción y accesibilidad, Frankfurt, Peter Lang, pp. 57-88, disponível em: http://www.joseyustefrias.com/wp-content/uploads/2020/06/JoseYu steFrias2011_TraducirParaLaPantalla.pdf (data de consulta: 17/11/2020).
Publicado
01/02/2021
Sección
ARTÍCULOS