Estudos de género e Religião: diálogos difíceis e tensões latentes

Palabras clave: Género; estudos sobre as mulheres; religião; ideologia de género.

Resumen

Os estudos feministas têm desencadeado ampla discussão pública sobre cidadania e igualdade de género, paralelamente tem-se assistido ao crescimento de movimentos sociais enquadráveis no ativismo religioso de oposição às teorias feministas. O presente artigo analisa a produção científica sobre a tensão entre a religião e os estudos feministas, através de um estudo exploratório de revisão da literatura de artigos publicados em revistas científicas portuguesas indexadas ao Scielo. Da análise de conteúdo desses trabalhos os resultados apontam para a prevalência de artigos relativos a religiões monoteístas (cristãs) que ilustram, na sua maioria, uma visão androcêntrica do discurso religioso.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Alves, M, Amâncio, L e Alferes, V. 2008. “Género e representações sociais: duplo-padrão sexual em função da religião e da posição política”, Psicologia, vol.22, 2: 139-160.

Bergano, S e Vieira, C. 2016. “Dar Visibilidade Científica a Assuntos na Sombra: Contribuições Mútuas entre os Estudos de Género e a Investigação Qualitativa”. Atas CIAIQ2016, 3: 508-518.

Blázquez-Rodríguez, M, Cornejo-Valle, M e Pichardo-Galán, J. 2018. “La disputa del género en el Estado Español desde el análisis del activismo Católico”, Ex aequo, 37: 47-61.

Cordovil, D. 2016. “Espiritualidades feministas: Relações de gênero e padrões de família entre adeptos da wicca e do candomblé no Brasil”, Revista Crítica de Ciências Sociais, 110:117-140.

Ferreira, F. 2009. “Mais de mil e uma noites de experiência etnográfica: uma construção metodológica para pesquisadores-performers da religião”, Etnográfica, vol.13, 2: 441-464.

Giorgi, A. 2016. “Gender, Religion, and Political Agency: Mapping the Field” Revista Crítica de Ciências Sociais, 110: 51-72.

Gutiérrez, S e Grecco, G. 2018. “Salvando las ánimas: Discursos de género y religión en las revistas de la Acción Católica Española”, Ex aequo, 37: 63-80.

Maskens, M. 2015. “The Pentecostal reworking of male identities in Brussels: producing moral masculinities”, Etnográfica, vol.19, 2: 323-345.

Moretti-Pires, R et al. 2015. “Pastores, ovelhas desgarradas e as disputas pelo rebanho: Sobre a transcrucificação na Parada do orgulho LGBT de São Paulo em 2015”, Revista Crítica de Ciências Sociais, 110: 99-116.

Toldy, T. e Santos, A. (2016). “Religião, género e cidadania sexual: Uma introdução”, Revista Crítica de Ciências Sociais, 110: 43-50. ISSN 2182-7435
Publicado
24/02/2019