A visão do sagrado pelos millennials: a idolatria dos Youtubers

Palabras clave: sagrado; Youtuber; idolatria; herói; millennials.

Resumen

Os heróis do imaginário infantil situam-se em paradigmas socioculturais diferentes, mas preservando alguns traços comuns, como: a força do(s) poder(es) extraordinário(s), a bipolaridade do bem e do mal, a relação entre elementos cósmicos e entre o humano e o inumano.

Estes heróis vão desde o homem-deus dos clássicos gregos, à figura do messias numa linha judaico-cristã, às míticas personagens dos contos de fadas eternizadas pela cultura cinematográfica, passando para versões mais tecnologizadas como os Pokémonesaté modelos mais biónicos.

Atualmente parece emergir um novo “herói” para osmillennialsque se consubstancia na “personagem” do Youtuber.

Como corpusda investigação partimos das representações que crianças com idades entre os 9 e os 13 anos têm acerca dos Youtubers. A amostra incluiu crianças de uma escola pública portuguesa às quais aplicámos um inquérito por questionário online.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Elisa Do Rosario Fernandes Dias, IPB

Docente na Escola Superior de Educação de Bragança, Instituo Politécnico de Bragança;  Investigadora integrada do Centro de Investigação Transdisciplinar - Cultura, Espaço e Memória (CITCEM), Universidade do Porto

Citas

Bardin, L. 1995. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Branco e Silva, M.. 2016. Millennials portugueses e responsabilidade social empresarial: análise dos antecedentes das intenções de compra (Dissertação de mestrado não publicada). Lisbon School of Economics & Management, Universidade de Lisboa, Lisboa.

Ceia, P.A.S. 2016. Youtube e user generated content: a sua influência nas atitudes e comportamentos em Portugal (Dissertação de mestrado não publicada). Lisbon School of Economics & Management, Universidade de Lisboa, Lisboa.

Di Nola, A. 1987. “Sagrado/profano”, in Enciclopédia Einaudi, 12, Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, pp.

Di Nola, A. 1987. “Santidade”, in Enciclopédia Einaudi, 12, Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, pp.

Eliade, M.. s/d. Aspectos do Mito. Lisboa: Edições 70.

Hiernaux, J-P. 1997. Análise estrutural de conteúdos e modelos culturais: aplicação a materiais volumosos. In Albarello, L. et al. Práticas e Métodos de Investigação em Ciências Sociais. Lisboa: Gradiva: 156-202.

Howe, N. e Strauss, W. 2000. Millennials Rising: The Next Generations. New York: Vintage Books.

Machado, J.P. 1991. Grande Dicionário de Língua Portuguesa. Lisboa: Publicações Alfa, vol.III: 374.

Martins, C. 2015. “Geração digital, geração net, geração Millennials, geração Y: refletindo sobre a relação entre as juventudes e as tecnologías digitais” in Revistas UnilaSalle, 29: 141-151. https://revistas.unilasalle.edu.br/index.php/Dialogo/article/view/2238-9024.15.7/pdf (02-11-2018).

Martins, M.D.F. 2011. O conceito de herói em narrativas de alunos chineses de Português Língua Não Materna (Dissertação de mestrado não publicada). Universidade Aberta, Lisboa.

Morin, E. 2002. Os Sete Saberes Para a Educação do Futuro. Lisboa: Instituto Piaget.

Nietzsche, F. 1892. A origem da tragédia. Lisboa: Guimarães Editora.

Oblinger, D. e Oblinger, J. (Eds.). 2005. Educating the Net Generation. Boulder, EDUCAUSE e-Book, https://www.educause.edu/ir/library/PDF/pub7101.PDF (10-10-2018).

Ramonet, I. 2000. “Pokémon” in Le Monde Diplomatique. Porto: Campo da Comunicação, Agosto. Ano 2, nº 17: 1.

Serafim, M.L. e Pequeno de Sousa, R. 2011. Multimídia na educação: o vídeo digital integrado ao contexto escolar. SciElo Books. http://books.scielo.org/id/6pdyn/pdf/sousa-9788578791247-02.pdf (08-11-2018).

Simões, L. e Gouveia, L. 2008. “Targeting the Millennial Generation”. III Jornadas de Publicidade e Comunicação. A Publicidade para o consumidor do Séc. XXI. http://homepage.ufp.pt/lmbg/com/lsimoes1_sopcom08.pdf (6-10-2018).

Tisseron, S. 2000. “ Compreender uma paixão infantil- o percurso de iniciação aos Pokémons” in Le Monde Diplomatique. Porto: Campo da Comunicação. Novembro, Ano 2, nº 20: 24.

Tomaz, R. 2017. “Youtubers mirins: como a produção de conteúdo on-line por crianças sinaliza uma cultura lúdica digital”. Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Ciência Sociais – Anpocs 2017. https://www.anpocs.com/index.php/papers-40-encontro-2/gt-30/gt02-25/10607-youtubers (2-11-2018).
Publicado
03/02/2019