Cultura e educação na galáxia de Zuckerberg: reflexões a partir da diarística infantojuvenil

Palabras clave: Galáxia de Zuckerberg; cultura; educação; literatura infantojuvenil; diarística.

Resumen

O presente artigo elabora uma reflexão acerca da configuração da hodiernidade, que será considerada como a “Galáxia de Zuckerberg” (e já não apenas a “aldeia global” de McLuhan). Depois das galáxias de Gutenberg (massificação editorial) e de Marconi (rapidez de difusão), vivemos um tempo de profundas alterações nos meios e nos processos de comunicação, os quais são geradores de transformações sociais, culturais e educacionais. Partindo da confrontação de um vasto leque de abordagens (Popper, Llosa, Lipovetsky, Bauman, Melo, Nichols, Foer, Valero-Matas, Sánchez-Bayón, entre outros), reflete-se acerca da cultura na era da pós-globalização, marcada pela virtualização e desmaterialização dos modos de viver e comunicar. Enquadrando toda esta reflexão, faz-se, no âmbito da semiótica literária, uma análise de obras diarísticas da literatura infantojuvenil, realçando-se o processo de ficcionalização deste género autobiográfico e o investimento em narrativas humorísticas, marcadas pela dessacralização (problema ético) das relações – com evidentes repercussões no âmbito da educação.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Bauman, Z. & Leoncini, T. 2018. Nados líquidos. Transformações do terceiro milénio. Lisboa, Relógio D’Água.

Blanchot, M. 1984. O livro por vir. Lisboa, Relógio d’Água Editores.

Borges, J. L. 1989. El Desierto. In Atlas – Obras completas 1975-1985. Buenos Aires, Emecé Editores. p. 445.

Calvino, I. (1990). Seis propostas para o próximo milénio. Lisboa, Editorial Teorema.

Castells, M. 2003. A galáxia da internet: Reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed.

Cloutier, J. 1975. A era de EMEREC ou a comunicação audio-scripto-visual na hora dos self-media. Lisboa, Ministério da Educação e Investigação Científica - Instituto de tecnologia Educativa.

Cortázar, J. 2016. Aulas de Literatura. Lisboa, Cavalo de Ferro.

Foer, F. 2018. Mundo sem mente. A ameaça existencial da alta tecnologia. Lisboa, Círculo de Leitores.

Han, B. 2018. A expulsão do outro. Lisboa, Relógio D’Água.

Harari, Y. N . 2018. 21 lições para o século XXI, Amadora, Elsinore.

Horrocks, C. 2004. Marshall McLuhan y la realidad virtual. Barcelona, Editorial Gedisa.

Kundera, M. 1994. Os testamentos traídos. Porto, Edições ASA.

Lejeune, Ph. 1993. Le moi des demoiselles. Enquête sur le journal de jeune fille. Paris, Éditions du Seuil.

Lejeune, Ph. 1975, 1996. Le pacte autobiographique. Paris, Éditions du Seuil.

Lipovetsky, G . 1983, 1989. A era do vazio. Ensaio sobre o individualismo contemporâneo. Lisboa, Relógio D’Água.

Lipovetsky, G. & Juvin, H. 2011. O Ocidente mundializado. Controvérsia sobre a cultura planetária. Lisboa, Edições 70.

Lipovetsky, G. & Charles, S. 2018. Os tempos hipermodernos. Lisboa, Edições 70.

Llosa, M. V. 2012. A civilização do espetáculo. Lisboa, Quetzal.

Lourenço, E . 2005. A morte de Colombo. Lisboa, Gradiva.

McLuhan, M. 1996. Comprender los medios de comunicación: las extensiones del ser humano. Barcelona, Paidós.

Melo, A . 2002. Globalização cultural. Lisboa, Quimera.

Nichols, T. 2018. A morte da competência. Os perigos da campanha contra o conhecimento estabelecido. Lisboa, Quetzal.

Morin, E. 2003. Introdução ao pensamento complexo. 4.ª ed., Lisboa, Instituto Piaget.

Nussbaum, M. 2010. Not for profit: why democracy needs the humanities. Princeton, NJ, Princeton University Press.

Popper, K. R. 1989. Em busca de um mundo melhor. Lisboa, Fragmentos.

Popper, K. R. 1993. A sociedade aberta e os seus inimigos (vol. 1). Lisboa, Editorial Fragmentos.

Serra, P. 2006. Comunicação e utopia. In http://www.bocc.ubi.pt/pag/serra-paulo-comunicacao-utopia.pdf

Teixeira, C . 2017. A diarística na literatura para a infância: a escrita do eu entre o real e a ficção, Vila real, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.

Valero-Matas, J. A. & Sánchez-Bayón, A. 2018. Balance de la Globalización y teoría social de la posglobalización. Madrid, Dykinson.
Publicado
04/08/2019